02
Ago 08

              MARAVILHAS  POVEIRAS

 

                               A S   T  R  I  C  A  N  A  S

 

Nestes dias de verão, que nos convida a gozar as férias, procurando a fresca à sombra das telhas caseiras, já que as fabulosas pensões sociais dos “jubilados”, como nos chamam os nossos amigos galegos, porque para eles o termo de reformados não lhes soa bem, mas sim como de uma coisa já gasta, que se arruma para o canto como inútil, imprestáveis, um dos meus entretenimentos, além da “maravilha” do século vinte, o computador que faz cansar e extenuar o cérebro, é passar uma vista de olhos pela colecção de postais, alguns dos quais me fazem sonhar com paradisíacos locais, temperadas águas, sombras de coqueiros, fresca das alturas, nortadas inclementes e belos corpos torrando ao Sol na trabalheira, como costuma dizer-se, para o “bronze”.

            De entre essa caterva de postais que ao longo da minha acumulação de dilatados anos tenho reunido, surgem alguns que me fazem lembrar os meus anos de juventude e mocidade passados na Rainha das Praias Portuguesas, classificação que me não canso de atribuir e lançar aos quatro ventos à já velhinha, Varazim de Jusão, ou se quiserem Poboa Noua de Varazim ou ainda como no foral do Rei Dom Diniz, Reguengo de Varazim de Jusaão.

  A Póvoa, hoje uma nova cidade, cosmopolita e movimentada, onde, por vezes, é difícil distinguir os meses calmosos, de canícula ou, por mal dos nossos pecados, de Nortada, com os dias de Inverno, quando o mar brama ameaçador, tentando ultrapassar as barreiras naturais, mas mesmo assim espectáculo formidável da fúria dos elementos, é hoje cidade onde a onde a mistura de gentes dos vários quadrantes da Rosa dos Ventos é notória, desde os confins de Portugal, e agora de emigrantes, de primeira e segunda geração e até de estrangeiros, tendo, a par com condições de boa hospitalidade, a sua esmerada cozinha,  um dos mais belos encantos que bem representa esta terra de heróicos pescadores,  a bela tricana poveira.

Pela sua gentileza, pelo seu porte donairoso, pelo amável sorriso, pela sua graciosa compostura a tricana poveira distingue-se entre todas as moças deste ridente “País à beira mar plantado”. Não sei se é do clima, se é própria das gentes poveiras, já que a fama de raparigas bonitas se estende pelo concelho. Beiriz, é considerada como uma das freguesias da Póvoa, onde se encontram as mais belas moças, competindo em formosura e deleite com as poveiras.

Mas a tricana poveira, com o seu trajar peculiar, o xaile de merino, traçado sobre os ombros, a sua saia de fina cambraia, o seu avental e blusa de seda, profusamente coloridos, as suas meias de seda, que escondem uma perna bem esculturada, rematada por um chinelo de verniz, que encerra um elegante e pequeno pé, o seu cabelo bem penteado e enrolado num picho, aninhado sobre o pescoço, as suas arrecadas, por vezes brincos de rainha, um fio de ouro ao pescoço, normalmente enriquecido por uma medalha, encastoada pelo precioso metal e encerrando um esmalte representando a imagem da Mãe de Jesus e nossa Mãe – sua devoção peculiar - o seu andar num saltitar brincalhão, o seu olhar de encanto por vezes maroto que mais não é do que setas atractivas enviadas,  que apaixonam o mais empedernido e sisudo solteirão. Elas são uma verdadeira maravilha, e agora que está em moda a eleição das maravilhas, posso dizer que a tricana poveira é uma das maiores, senão a maior maravilha que nos deu a mãe natureza. E a vê-las nas marchas de São Pedro, nas festas e romarias, no São Bento de Vairão, na Senhora da Saúde, em Laúndos, nas festas de Nossa Senhora da Assunção ou nas de Nossa Senhora das Dores.

Sempre dignas, dão um ar festivo a estas manifestações. E eu,  felicito as que foram tricanas do meu tempo - há que belas recordações, os bailaricos do Sidral e as fogueiras, e a tasca do Barroso que servia, para refrescar as gargantas ressequidas pelo cantar da “Sarrasquinha ‘assacode’ a saia” - , as de hoje e aquelas que no futuro virão, para continuar a dar a esta terra de encanto a fama e a chama, que o mar às vezes ingrato mas sempre generoso beija, com carinho, quando o procuram para descanso e bem estar.  

Não ponho dúvidas, se houvesse uma eleição não só para coisas estáticas, mas com plena vida que o honroso lugar da melhor maravilha de Portugal e do Mundo inteiro seria

 

                  A TRICANA  POVEIRA

 

Obs. Talvez pelo meu fraco conhecimento os tecidos

usados pela tricanas sejam outros.

 

Braga, 30 de Julho de 2007

 

                                                                              LUIS COSTA

 

Se for possível peço me devolvam o postal.              

 

publicado por Varziano às 15:50
música: a

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21
22
23

24
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
arquivos
2013

2012

2011

2010

2009

2008

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO