20
Jul 10
A HISTORIA QUE HOJE VOU CONTAR Naqueles tempos já tão recuados os cuidados sanitários de hoje, era uma utopia. A casinha ao fundo quintal, ao lado do poço e do tanque, servia às mil maravilhas, e era ao mesmo tempo uma fonte de receita, cobrada em canhotas. Ora numa determinada o ocasião o António, nome do dono do “comes e bebes”, teve necessidade de se servir da casinha, para aquelas necessidades imperiosas que são, afinal, de todos. Satisfeito e acabada a função procura no prego ao lado um papel para finada operação e, vai daí, aflito dá um grito e com as calças arriadas na mão, corre com tanta pressa como lhe permitia segurar as calças, e lança-se afoitamente ao tanque para refrescar de uma ardência e calor que sentia. Chafurdando no tanque vai de continuar a gritar: - Estafermo de mulher, vem cá depressa, que eu não posso mais. Sou capaz de morrer !... A mulher aflita, ocorre ao chamamento e com a pressa pega nas solipas na mão e vai atender o seu “home”. - Raio de mulher, que papel puseste no prego, que me está fazer tal mal - Oh, António, só se foi o papel da pimenta !....
publicado por Varziano às 17:12

Q U A T R O P É S Ele, um borrachão incorrigível e ela, não desfazendo, uma interessante e solicitada fêmea. Todas as noites, lá chegava ele pela madrugada, sempre como um cacho, um odre autêntico, a rodar, a rodar, sem se aguentar de pé. Enrodilhava-se no cobertor, e ressonava, ressonava, ressonava e ela lá ia pensando que aquilo não era vida, não atava nem desatava, até que um dia a roda desandou e vai daí, o que tinha de dar-se, deu. Um homem não é de ferro, e a mulher, bem a mulher, é uma mulher, sem tirar nem pôr, e o bichinho, lá fez das suas. Bem a necessidade a isso obriga, e o culpado foi ele e, as tentações aparecem e ele, como dizem, é sempre o último a saber. Certo dia, o bom “verdial” não tinha brotado tanto da torneira ou os cobres eram menos, foram menos as canecadas e nesse dia, estava bem mais sóbrio, julgava ele, e foi mais cedo para casa. Acertou facilmente com o buraco da fechadura, coisa que não era normal. Chegou ao quarto nupcial e conseguiu aninhar-se no vale de lençóis, devagarinho para não acordar a mulher mas, repara e ao fundo da cama, conta UM, DOIS, TRES, QUATRO, CINCO, SEIS PÉS. Como é isto ? Com um safanão acorda a mulher : - Zefa, como é isto SEIS PÉS NO FUNDO DA CAMA? - Ó “Home”, és sempre o mesmo, estás borracho. Levanta-te e vai contar!... ele cumpriu com o que a mulher disse e conta : - UM, DOIS, TRES, QUATRO !. Tens razão, mulher minha, SÃO OS NOSSOS QUATRO PÉS ! e voltando-se para o outro lado, entregou-se às asas de Morfeu, e adormeceu NA PAZ DOS ANJOS ! …
publicado por Varziano às 16:58

Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14
15
16
17

18
22

25
26
27
29
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
arquivos
2013

2012

2011

2010

2009

2008

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO